Home Data de criação : 08/02/21 Última atualização : 11/10/18 14:19 / 3 Artigos publicados

Ouro campeã  escrito em segunda 31 março 2008 14:31


 

 

 

Ele viu que é a bola que dá nota ao Brasil. Então  sorriu, já que o choro não dissolve a revolta  que sentiu.                                    

Tentou falar, mas foi inútil   pois o povo já ta surdo de escutar.

Na multidão alguém gritou:- Se não tem dólar vá embora não me venha, não nos venha perturbar.

É que todo esse povo tem o dono que adora  domá-lo,  chutá-lo e lhe furtar o ganha pão e encher de pinga falsa a barriga que espera  por feijão....  

Já no postinho da favela uma banguela sempre espera a visita  do dentista.

Mas ele não vem, assim como não vem a boca cheia, que bem cheia de ferida é fechada pra rezar.  

E vai seguindo sem sorriso e pedindo pra que o pai  por compaixão lhe dê o pão....

Ele viu que é a bola que dá nota ao Brasil. Então  sorriu, já que o choro não dissolve a revolta  que sentiu.

De ver que cada  dia é menos pão em nossa mesa e mais criança  sem certeza de ter o que comer. 

E o tempo vai  passando e a fumaça vai levando da barriga a fome  nua, cega e crua....

Então  morre calado o poeta visionário, afogado em um trago de  cachaça,  ouro campeã,  penta campeã!

 

 

permalink

Dá-me tua mão  escrito em quinta 13 março 2008 14:36


 

 

 

Dá-me tua  mão,

Pois no calor da emoção

Eu posso me perder

E te ofender, pois sou assim,

Enigma em mim é não saber me expressar.

E, na loucura desse amor irracional,

Eu falo coisas sem pensar,

E, quando penso, eu não falo, eu me calo dentro de ti.

Procuro sempre,

Estrada complicada, 

Palavras mais difíceis

Hora mais errada.

Ressuscito  mortos,  já enterrados,

Os que habitam teu passado,

Só pra te ofender.

Dá-me  tua mão,

E me conduze pela orla desse sinuoso rio,

Vou saciar em teu regato  a sede se o cansaço me invadir,

Quero em teus lábios  mergulhar e  em teus braços afogar toda minha dor!

Procuro sempre,

Estrada complicada, 

Palavras mais difíceis,

Hora mais errada.

Ressuscito  mortos,  já enterrados,

Os que habitam teu passado,

Só pra te ofender.

Dá-me tua mão,

E me mostra o calma éden de tua afeição

Pois mudo sou,  mas cego não, e alegre vou ver o que sou na retina de teu coração!

permalink

Esta quase na hora  escrito em quinta 21 fevereiro 2008 23:07


.

.

.

É, está quase na hora.

De voltar para o meu mundo.

Que ficou lá fora.

Aqui, já vivi, já sofri,Já chorei, já morri de amor.

Não posso mais suportar a saudade.

De abraçar com vontade.

Os irmãos que deixei, que deixei, que deixei. 

Vou viver essa vida.

Tocando uma lira.

Para o mundo escutar.

Cá não há mesma graça.

Quero ver minha gente.

E falar com quem passa.

 É, está quase na hora.

De voltar para o meu mundo.

Que ficou lá fora.

É, está quase na hora.

De voltar para o meu mundo.

Que ficou lá fora.

Aqui, já vivi, já sofri,Já chorei, já morri de amor.

Não posso mais suportar a saudade.

De abraçar com vontade.

Os irmãos que deixei, que deixei, que deixe.

Quero encher o caco de pinga.

Gritar na avenida, depois desmaiar.

Então quem sabe, a ressaca malvada.

Me lembre a amada.

Que deixei ao partir .

É, está quase na hora.

De voltar para o meu mundo.

Que ficou lá fora.

É, está quase na hora...  

permalink

Abrir a barra
Fechar a barra

Precisa estar conectado para enviar uma mensagem para compositores

Precisa estar conectado para adicionar compositores para os seus amigos

 
Criar um blog